A verdade sobre o sotaque irlandês

Dez meses de intercâmbio e vida em Cork.

Chegamos aqui sem muitas instruções de como seriam as coisas e sem muito suporte presencial para o dia-a-dia que faz falta, principalmente no início. Trabalhando hoje com a Enjoy Intercâmbio (peça seu orçamento aqui!) vemos como teria feito diferença pra gente ter tido um auxílio maior da agência que contratamos.

Independente disto, a questão do sotaque nunca foi um empecilho pra gente, algo que nos faria repensar o intercâmbio. Temos um amigo que fez o intercâmbio em Limerick uns anos atrás e ele mostrava vídeos de irlandeses falando e realmente era difícil de entender, principalmente as pessoas de idade e mais do interior. Mas morríamos de dar risada deles falando, porque era hilário ouvir um sotaque tão diferente!

Formada em Letras e teacher de inglês por anos, já ouvi diversas vezes meus alunos me passando da dificuldade de entender o idioma e de alguns sotaques. Eu sei deste bloqueio porque eu também tenho as minhas dificuldades com o idioma. Não entendo os irlandeses o tempo todo, principalmente os velhinhos, mas isto é absolutamente normal. É um jeito de falar diferente, até porque nós brasileiros estamos mais acostumados com o inglês americano e britânico. A dica que dou neste momento pros intercambistas vindo pra Irlanda é: praticar, praticar e praticar! Antes de chegar no país, leia notícias do país, assista vídeos de talk shows e seriados, escute músicas e rádios locais. TODOS OS DIAS!

Algo muito importante de se esclarecer é: inglês é inglês em qualquer lugar do mundo. Assim como um brasileiro de Santa Catarina entende o sotaque de um pernambucano, assim como um português de Lisboa entende o sotaque de um angolano a língua inglesa pode ter algumas acentuações diferentes dependendo do lugar onde se nasce, mas nada que vai impedir ou prejudicar o seu aprendizado. Dizemos que estamos mais acostumados ao sotaque norte-americano por conta dos filmes e música, mas há muitos atores/cantores britânicos e irlandeses em Hollywood.

Na minha visão, sofrer um pouquinho com o idioma faz parte do intercâmbio e é um processo que leva algumas semanas pra gente se acostumar. O ideal é estudar e ter contato com os nativos e com estrangeiros pra melhorar ainda mais o inglês e fazer valor o investimento! Se o sotaque de Cork fosse tão difícil de entender assim, a gente não veria tantos estudantes vindo pra cá e renovando os cursos. Aliás, temos um periscope de alunos comentando sobre isso: Sotaque de Cork.

Espero ter esclarecido um pouquinho sobre esta questão. 😀

 

Coragem para arriscar

Há quase um ano atrás, o Daniel fez este texto que expressou bem nossos sentimentos e ansiedades antes de embarcarmos para a Irlanda.

Sim, o processo gera diversos questionamentos, mas com certeza depois de chegar aqui eu percebi que ter arriscado vale mais a pena do que se arrepender por não ter feito o que a gente sempre sonhou.

Irlanda a dois

A sensação às vezes é que tem muita coisa dando errado. Enquanto escrevo este texto a cotação do euro vai subindo, subindo, subindo. Para quem não sabe, é preciso levar três mil euros por pessoa para conseguir o visto irlandês. Agora dê uma olhada na cotação, faça as contas e tenha o mesmo mini enfarto que estamos tendo aqui.

Decidimos pelo intercâmbio ainda em 2014 quando eu saí da companhia aérea em que trabalhei durante seis anos. Era um sonho antigo. Falávamos em passar um tempo fora aprimorando o inglês e tendo novas experiências desde quando começamos a namorar.  Com o dinheiro da rescisão, veio a oportunidade. Decidimos contar para a família que se surpreendeu, mas tem nos apoiado o tempo todo (beijo, mãe).  Os amigos também incentivaram.

Fizemos um milhão de contas, pesquisamos agências e quase fechamos um intercâmbio de um ano no Canadá. Antes de entregar o contrato…

Ver o post original 191 mais palavras

Visitando as escolas de Cork: CEA

Conhecemos na sexta-feira mais uma parceira da Enjoy Intercâmbio, a Cork English Academy (CEA).

_MG_0118

A Natalie, diretora de marketing da escola (e brasileiríssima), nos recebeu para a visita! Aliás, ela escreve para um blog super instrutivo sobre intercâmbio em Cork, o What about Cork?. Passa lá depois. 😉

A CEA fica muito bem localizada na região central da cidade e o prédio deles é demais! As salas são super bem iluminadas, com janelas gigantes, mostrando um pouquinho de Cork. Eles têm um diferencial que é a própria acomodação da escola, que também é ótima! Outro diferencial que até o momento eu não vi em outras escolas é o programa de estágio deles. Para participar, o aluno, que precisa ter pelo menos o nível intermediário, paga uma taxa de serviço que garantirá algumas aulas e alocação no ambiente de trabalho de sua área.

_MG_0129

A metodologia trabalhada em sala é a comunicativa, e os professores prezam bastante o trabalho em grupos. As carteiras são alocadas em formato de U, para que todos possam interagir. Visitamos salas bem espaçosas, e algumas um pouco menores. A quantidade máxima de alunos por sala é 15, mas pelo que vi nas listas de presença, as turmas não têm chegado neste número. Achei interessante que na porta de cada sala de aula tem a lista de alunos colado, então pra quem está iniciando ou tem um inglês básico, é uma boa ajuda!

Todos os alunos são avaliados semanalmente por meio de testes e se ele acha que está pronto para mudar de nível, ele notifica o professor, que avaliará o seu desempenho e analisar se o estudante pode ou não subir de nível.

Além dos cursos de General English, matutino e vespertino (única escola que oferece), a CEA também tem atividades semanais gratuitas, como de pronúncia, gramática, passeios fora e dentro da cidade. Atualmente a escola tem em torno de 160 alunos, dentre eles aproximadamente 38% de brasileiros.

Foi muito bacana conhecer mais uma instituição de qualidade e que se preocupa com o bem-estar de seus alunos. Recomendadíssima!

Conhecendo as escolas de Cork: CEW

Hoje vamos falar sobre a nossa visita para a CEW (Cork English World), ganhadora do prêmio Cambridge 2016!

CEW award

A CEW está muito bem localizada no centro de Cork e fica ao lado de uma das igrejas mais bonitas que eu já vi, a St Finn Barrs. Uma coisa que chamou a atenção da gente é que a English World lembra bastante as escolas de inglês que temos no Brasil. O prédio é bem moderno por dentro e a escola é toda enfeitada com quadros da Irlanda, que dão um charme a mais.

cew

A escola se utiliza de uma abordagem comunicativa de ensino, que foca em atividades do dia-a-dia para ensinar novos temas aos alunos. Os grupos são formados de até 12 alunos e atualmente a CEW possui cerca de cem alunos, dentre eles em torno de 10 nacionalidades diferentes.

Em seu primeiro dia de aula, o intercambista faz um teste escrito e oral com o coordenador, para definirem o nível a ser direcionado. Conforme ele vai assistindo aulas, o próprio aluno define quando ele irá fazer o teste para mudança de nível. Obviamente que este processo é sempre guiado pela coordenação de ensino. De qualquer forma, é realmente interessante não ter uma prova com data fixa a cada um dois meses, pois assim ninguém precisa se preocupar caso não atinja uma nota mínima, e nem em decorar capítulos de um livro para passar.

_MG_0096

Os professores são Irlandeses ou nativos na língua inglesa e possuem certificados de ensino. A escola oferece três cursos extras e grátis semanais para os alunos: um de business, outro de debate e um último de pronúncia e eles são sempre temáticos. Há também outros cursos pagos, que funcionam à tarde. Além disso, os alunos podem participar de atividades culturais como boliche, futebol, dança… Neste link há alguns dos passeios realizados.

_MG_0090

Creio que o que mais me atraiu na CEW é o fato de eles oferecerem um preparatório IELTS ou FCE para todos os estudantes! Ou seja, quando eles completam 12  ou 15 semanas estudadas, eles já têm a opção de continuar o curso focando sem preparar para os exames, os quais todos terão que fazer. Lembro apenas que estes preparatórios costumam custar em torno de 200 euros por semana, então é uma boa oportunidade!

Mais uma vez, foi um prazer esta oportunidade de visitar uma escola que oferece qualidade!

Conhecendo as escolas de Cork: CEC

Trabalhando agora como assessores de intercâmbio, estamos tendo o privilégio de conhecer as escolas parceiras da Enjoy. Hoje conhecemos a CEC (Cork English College), considerada a melhor da cidade. Os prédios da Irlanda costumam ser antigos, principalmente os que estão localizados no centro, mas a CEC reformou o prédio inteiro por dentro, deixando ele com um ar bem moderno. Antes de virar uma instituição de ensino, o local já foi utilizado primeiramente como um hotel, e depois um banco.

cec1

Fomos super bem recebidos pela Micheline, uma das gerentes da escola, que esclareceu várias das nossas dúvidas e explicou claramente sobre a escola e como eles trabalham.

A CEC oferece o curso de 25 semanas de General English e outros como: preparatórios para exames IELTS e Cambridge, cursos específicos para Business e Aviação e cursos de verão para professores. Os professores possuem uma graduação e pelo menos um curso de formação de professores como o CELTA, reconhecido internacionalmente.

Os alunos são avaliados semanalmente por meio de revisões que analisam o desempenho nas quatro habilidades: leitura, escrita, fala e áudio. Dessa forma, o professor analisa se o aluno assimilou o conteúdo do módulo e se está pronto para passar de nível, que são sete no total. Esta forma de avaliação me atraiu muito, pois assim o aluno não se sente pressionado em passar em um exame depois de tentar guardar um ou dois meses de conteúdo. Um detalhe importante é que as turmas são formadas para receber até 10 alunos, para que os professores possam dar atenção à todos de forma igual.

Uma das formas que as escolas de inglês são analisadas é por meio de seu mix de nacionalidades. Atualmente a CEC recebe no máximo 20% de alunos de determinada nacionalidade, para garantir que todos os estudantes sejam expostos a diferentes culturas e sotaques, pois tudo pode deixar o intercâmbio mais educativo e memorável.

Falando em diferentes culturas, os alunos podem participar de atividades extras semanais e grátis, para praticar o idioma ou conhecer novas pessoas. Há atividades de pronúncia, encontro com os professores em cafés ou pubs, aulas de Riverdance (dança tradicional do país), worskshop de emprego e outros.

A Cork English College provou ser um local sério e organizado, focado em proporcionar um ensino de qualidade à seus estudantes. Como eu sempre trabalhei com educação no Brasil, hoje eu consigo avaliar bem uma escola e eu gostaria muito de estudar na CEC em uma próxima oportunidade! Escola mais do que recomendada!

Vale a pena fazer intercâmbio com o país em crise?

Crise. Crise. Crise. Desde antes de sairmos do Brasil só se fala sobre isso. Desemprego, inflação, impeachment. Muita gente desesperada querendo deixar o Brasil para trás, muita gente desesperançada mas sem coragem de sair do lugar. E desde que chegamos aqui na Irlanda percebemos muita gente aproveitando a demissão para viajar e aprender inglês. Enfim, o que achamos de tudo isso?

planejamento-estrategico-roteiro

Crise ou oportunidade?

Em primeiro lugar temos que admitir que a crise no Brasil é feia. Não queremos apontar culpados e este não é o espaço para isso, mas “o bicho pegou” e as evidências estão aí. Ficar repetindo que a crise não existe, dizer para “não pensar em crise” não vai ajudar ninguém.

Em segundo lugar, eu até entendo o desespero e a decepção de muitos brasileiros. Quem sou eu para julgar os motivos de quem está mudando de país e tentando recomeçar em outro lugar? O que não quer dizer que eu concorde que a melhor escolha é tomar uma decisão de se mudar definitivamente para um país que você não conhece abandonando família, carreira e planos no calor do momento. A vida de um estrangeiro na Europa não é um conto de fadas e o resultado pode ser mais frustrante do que se imagina. Então calma lá antes de uma mudança definitiva. Você já pensou nisso de cabeça fria? Já avaliou todos os riscos? Já teve uma conversa transparente com alguém que mora fora sobre as dificuldades aqui?

Por fim, vamos falar sobre o intercâmbio. Vale a pena sair do Brasil com o real desvalorizado e encarar pelo menos oito meses do outro lado do mundo acreditando que vai aprender inglês e ter melhores chances profissionais no Brasil?

“Enquanto uns choram, outros vendem lenços”. A frase, atribuída ao publicitário Nizan Guanaes, é uma das minhas preferidas quando pensamos sobre desenvolver o  senso de oportunidade. O Brasil não é o único país do mundo em crise e essa também não é a primeira crise que o Brasil passa (e nem a última). Mais cedo ou mais tarde a tempestade vai passar e teremos um período de crescimento de novo. E quando as águas mais calmas chegarem, navegará melhor quem estiver melhor preparado.

Respondendo à pergunta: sim. Vale a pena. Aliás, o momento é agora. É quando todo o mundo está se lamentando que os corajosos se sobressaem. Não entenda isso como um convite para realizar loucuras. Eu falo aqui para aqueles que tem condições de estudar fora do Brasil mas por comodismo ou medo não arriscam: mexam-se. Amanhã, quando o mercado estiver aquecido e contratando e as oportunidades surgirem, alguém ao seu lado na entrevista estará contando histórias de crescimento pessoal e profissional no intercâmbio que realizou há pouco tempo, enquanto o país estava mergulhado na crise. A boa notícia é que dá tempo de chutar o pessimismo, o medo e o comodismo para escanteio e assumir o controle do leme. A boa notícia é que essa pessoa cheia de confiança e boas histórias pode ser você. Entre em contato comigo pelos contatos abaixo e eu te mostro como.

foto

 

Balanço geral atualizado: 6 meses na Irlanda!

6 meses, acredita?

IMG_20160428_194603

Às vezes eu acho que morei em Cork a vida toda, às vezes e acho que nem parece tanto assim… Eu e o Daniel sempre tentamos fazer um balanço geral do nosso intercâmbio, pra poder analisar os altos e baixos e assim crescer com tudo o que vivemos. A experiência é única, mas nem tudo é rosas.

Semana que vem concluiremos o nosso curso e estamos muito feliz com o curso que investimos! A Griffith nos acolheu bem desde o começo e nunca tivemos problemas com os funcionários da escola. Gostamos do ensino também, porém seria interessante se a escola investisse mais em professores graduados na área. Hoje, trabalhando pela Enjoy Intercâmbio, percebemos que a agência que contratamos poderia ter nos dado outras opções de escola e nos ajudado melhor neste processo. Você pode ler mais sobre a Griffith aqui.

Sobre trabalho, eu deixei de trabalhar como babá na casa que eu estava para me dedicar à Enjoy. Fiquei cinco meses com a família e depois deste tempo consigo afirmar que tive momentos de muito aprendizado com eles. Acho que as crianças irlandesas são mais independentes e livres do que as nossas no Brasil. Pelo menos aqui, a criançada pode brincar à vontade nos parques e voltar pra casa depois da escola sem um adulto por perto. Isso é maravilhoso e seria ótimo se isso acontecesse nas nossas cidades. Acho que hoje eu sinto mais falta das crianças do que elas de mim haha!

E o bendito clima chuvoso? Melhorou! Tem chovido pouco e temos visto o sol com mais frequência \o/ A expectativa agora é de uma primavera e um verão menos fria, porque ainda tem feito em torno de 10 graus todos os dias.

IMG_20160423_122155

Minhas partes favoritas deste intercâmbio é a facilidade que temos em viajar e conhecer outras cidades e países, graças à Ryanair, e à cia de ônibus e trem do país. Também adoro o fato de que agora tem anoitecido só às 9 horas da noite, pois parece que o dia rende mais! Acho que a simpatia dos irlandeses é algo que vou sempre admirar, além da forma como eles curtem uma cervejinha. Como morei bastante tempo em São Paulo, eu amo poder ir andando até o trabalho ou para a escola. Usei bike por um bom tempo, o que foi de grande ajuda.

Provavelmente há mais coisas para falar sobre o intercâmbio, mas por hoje é suficiente. 🙂

Quer fazer intercâmbio na Irlanda? Fale conosco!

Quando a gente decide fazer um intercâmbio precisamos estar prontos para o inesperado. Algumas situações não previstas vão acontecer.

Nós chegamos na Irlanda em outubro e estamos aqui há quase seis meses. Nesse tempo bastante coisa mudou. Nesse tempo precisamos aprender a lidar com muita coisa que não estava na nossa programação. Algumas não foram muito boas. Por outro lado, a vida ainda é uma caixa de boas surpresas. Nesse final de semana recebemos uma delas.

O Cauê e a Anne entraram na nossa vida há pouco mais de um ano quando ainda pensávamos em fazer o intercâmbio para o Canadá. O contrato estava assinado na nossa mesa quando, por indicação de uma amiga de trabalho da Livia, nós começamos a assistir vídeos do canal Time to Plant Things, um casal que também chegou na Irlanda como intercambista e dedicava parte do seu tempo gravando dicas para facilitar a vida futuros estudantes. Bastaram algumas horas assistindo para que decidíssemos mudar os planos e o destino do intercâmbio. Durante os meses seguintes consumimos muita informação do canal que foi essencial para formar nossas expectativas antes de viver essa experiência. Nesse meio tempo decidiram transformar o que faziam no Youtube em profissão e abriram uma agência de intercâmbio, a Enjoy. O canal também mudou de nome.

Enjoy

Irlanda a dois agora também faz parte do time Enjoy Intercâmbio!

Já faz aproximadamente um ano que eles tem trazido estudantes de inglês para a Ilha Esmeralda. E o diferencial da Enjoy para outras agências é que todos os funcionários trabalham aqui para facilitar a vida de quem chega. Ter alguém para ajudar nos primeiros meses de intercâmbio é o principal desejo da maioria dos estudantes. Por isso, o futuro aluno que fecha com a Enjoy pode ter certeza que receberá uma assessoria especial desde o momento que faz o primeiro contato. E além de todo os preparativos antes do embarque, ao chegar na Irlanda o aluno recebe um kit de boas vidas, faz um passeio pela cidade sendo informado dos principais pontos de interesse,  é acompanhado ao banco para abrir conta, recebe ajuda para busca de moradia e há até  mesmo um workshop que ensina como procurar emprego e montar o currículo.

Então, é com muita alegria que podemos anunciar que agora fazemos parte da equipe Enjoy Intercâmbio. Passamos o fim de semana em treinamento na sede da empresa, em Galway e estamos prontos para auxiliar quem quer estudar inglês no Velho Continente. Se você ainda não conhece a Enjoy, clique aqui. E se quiser nos pedir um orçamento, envie uma mensagem inbox pela nossa página no Facebook ou deixe seu e-mail nos comentários e entraremos em contato.

 

enjoy2

Sede da Enjoy, num espaço co-working em Galway

 

 

 

 

 

Praticando o listening

Hoje vamos continuar nossa série de dicas para aprimorar a língua inglesa. Uma das habilidades que desenvolvemos no intercâmbio é entender os falantes nativos do idioma em questão. É como um bebê aprendendo a falar: primeiro eles nos escutam, entendem o significado e passam a reproduzir. Quando desembarcamos na Ilha Esmeralda eu fiquei preocupado pois não conseguia entender bulhufas do que me perguntavam. O sotaque irlandês pode ser diferente do que costumamos ouvir, mas o principal obstáculo é a falta de uma prática constante. Com o tempo isso melhora e aqui comecei a aproveitar a tecnologia para melhorar o nosso “listening“. Quer ver o que tem funcionado pra gente?

1. Youtube

É a maior rede social de conteúdo em vídeo do mundo, em incontáveis idiomas. E o inglês é, provavelmente, a língua mais utilizada. Então não existe desculpa. Use a criatividade a seu favor, pesquise canais dos mais variados assuntos. Se gosta de culinária, comece a pesquisar receitas dos seus pratos favoritos. Se gosta de cinema e cultura pop, também há muitas opções. Nós gostamos muito do canal WatchMojo que basicamente faz listas sobre os assuntos mais variados, desde celebridades que namoraram e você nem lembrava até as 10 criaturas marinhas mais perigosas. Uma outra dica é procurar as músicas que você gosta pelo nome e acrescentar “lyrics” ao final, para conseguir acompanhar a letra na tela e cantar junto. Além das músicas, outra dica é assistir os vídeos do TED Talk. Eles são curtos, interessantes e você pode colocar a legenda em português se precisar entender algo.

2. Netflix

A gente já estava apaixonado pela Netflix no Brasil. Pagar um valor honesto para ter acesso a uma infinidade de filmes, documentários e séries a hora que quiser é de outro mundo. Quando viemos para cá, tivemos que cancelar o serviço, mas os amigos sempre estão aí para dar aquela compartilhada na senha, né? A questão é que aqui o catálogo brasileiro não está disponível, então precisamos assistir os filmes que estão disponíveis no catálogo irlandês. E aí, como você já deve imaginar, nada de legendas em português. Isso é ruim? Que nada! È uma oportunidade fabulosa de colocar o inglês pra funcionar. A gente se acostumou a colocar a legenda em inglês mesmo e assistir. No começo era um pouco difícil, mas agora já estamos conseguindo a assistir sem legenda mesmo em alguns casos. Muito útil!

3. Podcasts

Essa eu descobri há pouco tempo. Para quem não sabe, podcast é um programa de rádio que você baixa pela internet. Normalmente é feito por um apresentador e alguns convidados debatendo um tema em comum. No Brasil eu já era fã do Nerdcast, do Mamilos e do Anticast. Mas dava uma trabalheira danada baixar os arquivos no computador, passar pro celular e etc. Aí descobri os gerenciadores de podcasts pela playstore e minha vida mudou. O app que eu uso é o Podcast Republic. Mude a configuração do país para “USA” ou “England“, ou “Ireland“. Clique em “Top Charts” e aparecerá uma lista de opções de canais de podcast.Aí é só escolher conforme seu interesse. Eu gosto de escutar o “6 minute vocabulary”, da BBC Radio, que tem apenas seis minutos e a cada semana traz um assunto novo sobre vocabulário em inglês. É bem fácil de entender, mesmo para quem está começando. Há outros como o “English as a second language“, o “6 minute English” e por aí vai. Se você já está em um nível mais avançado, não deixei de ouvir podcasts de assuntos que te interessam, pois também existem diversos.

Aprender inglês depende muito do seu esforço. Muita gente, por exemplo, culpa a quantidade de brasileiros na Irlanda pelo baixo desempenho. Eu discordo. É possível sim ter uma boa convivência com os nossos conterrâneos e mesmo assim praticar o idioma. Basta querer, se esforçar e ser criativo na hora de estudar. Tem que fazer mais do que ir pra sala de aula. Tem que sair para falar com os nativos (os MeetUps estão aí para isso, a Livia já falou sobre eles no blog) assim como tem que ouvir mais inglês no dia a dia. Espero que as dicas aqui ajudem quem está a fim de deixar o inglês tinindo.

Até a próxima! Cheers!

Saint Patrick’s Day, o Dia do Orgulho Irlandês.

St. Patrick’s Day é o dia do ano em que todo mundo se considera um pouco irlandês. De fato, 12% da população norte americana afirma ter descendência irish e no mundo inteiro o número pode chegar a 80 milhões de pessoas. Mesmo no Brasil, a festa já está virando uma tradição. Com a celebração de St. Patrick’s Day pelo planeta, você já parou pra pensar o quanto realmente conhece sobre o maior feriado nacional irlandês?

ST-PATRICK-DAY-PARADE-DUBLIN

Aqui vão algumas informações.

Quem foi Saint Patrick’s?

Patrick é o nome de um jovem natural do País de Galês, nascido em uma família rica, que foi sequestrado por bárbaros e vendido como escravo na Irlanda quando tinha 16 anos. Após trabalhar forçadamente durante 6 anos ele consegue fugir e passa mais 12 anos estudando teologia e religião em um monastério na França. Patrick, que até o sequestro se considerava pagão, resolve voltar à Irlanda depois de receber um chamado de Deus e passa a pregar aos nativos sobre Jesus Cristo, convertendo a maior parte deles. Alguns relatos dizem que St. Patrick chegou a ressucitar pessoas e que foi o responsável por expulsar as serpentes da Irlanda (por isso não encontram-se cobras na Ilha Esmeralda). Sua morte aconteceu no dia 17 de março de 461 e por esse motivo nessa data é celebrado o Saint Patrick’s Day (ou Dia de São Patrício).

Lendas e folclore.

Apesar de ter origem religiosa, a festa é uma grande celebração da cultura e dos símbolos irlandeses. Trevos, leprechauns e a pedra de Blarney são associadas ao Saint Patrick’s Day.

shamrocksO trevo de três folhas é uma planta muito comum na Irlanda. É considerado um sinal de boa sorte encontrar o trevo de quatro folhas, bastante raro. As histórias dizem também que Saint Patrick costumava usar o trevo para evangelizar, fazendo uma alegoria à Trindade (Pai, Filho e Espírito em um só).
lepre

Duendes, ou leprechauns, são pequenos elfos irlandeses e acredita-se que eles trabalhem como sapateiros para outros elfos. Os irlandeses dizem que se um duende for capturado por um humano, ele revelará onde esconde seu pote de ouro.

KissingBlarneyStone-e1394774142615A vila de Blarney está situada no noroeste do condado de Cork, onde moramos. A palavra Blarney tem origem no gaélico (língua irlandesa original) “An Blarna”, significando “a planície”. Em Blarney há um famoso castelo e no topo do castelo fica Blarney Stone, uma pedra que, segundo a lenda, confere a quem beijá-la o dom da eloquência. Dizem que até mesmo Winston Churchill beijou a pedra e por isso ficou conhecido pelos seus discursos. O problema é que dá um pouquinho de trabalho para beijar a pedra, como podem ver na foto.

O que as pessoas fazem no Saint Patrick’s Day?

A celebração acontece no mundo inteiro com gente dançando e cantando em pubs irlandeses, assistindo desfiles, bebendo cerveja “verde”, usando roupas verdes ou apenas tendo um momento feliz com amigos. Na Irlanda as crianças costumam beliscar os amigos que não usam verde nesse dia!

Comida e bebida tradicional

“Corned beef and cabbage” (um prato feito com carne e repolho) e o “Irish soda bread” são as comida mais comuns por aqui nesse dia.  Os donos de pubs costumam ir à loucura nesse dia com o tanto de colorante que precisam colocar nas cervejas e a tradicional Guiness costuma ficar esgotada em todos os bares. As pessoas também costumam beber o Irish Coffee, que é preparado com uísque, açúcar, café e coberto com creme. Parece gostoso? E é!

nyc-st-patricks-day-parade_HD__008385_still_624x352

Amanhã o desfile começa as 13 horas aqui em Cork e pretendemos ter bastante fotos e vídeos para mostrar para vocês. Haverá também bastante música ao vivo nas ruas e nos pubs.

Viva a cultura irlandesa!!!

Cheers!

Este texto é uma tradução/adaptação do artigo St. Patrick’s Day by David Collet